A fidelidade de Deus

  FLAG SPAINFLAG RUSSIANFLAG USAFLAG FRANCEFLAG GREECEFLAG GERMANYFLAG KOREANFLAG JAPANFLAG ITALYFLAG ISRAELFLAG CHINAFLAG INDIA

4º TRIMESTRE 2016

O DEUS DE TODA PROVISÃO

Esperança e sabedoria divina para a Igreja em meio às Crises

COMENTARISTA: Pr. Elienai Cabral

LIÇÃO 13 – AFIDELIDADE DE DEUS – (Fp 4.10-20)

INTRODUÇÃO

Chegamos ao final desse último trimestre de 2016, e nessa última lição teremos a oportunidade de destacar o que significa o termo fidelidade no que diz respeito ao ser de Deus, também pontuar a fidelidade divina na condução da história; bem como ressaltar a gratidão de Paulo aos filipenses pela sua cooperação, e sobre tudo notar que em meio aos sofrimentos podemos contar com a fidelidade de Deus.

I – DEFININDO O TERMO FIDELIDADE

1.1 Fidelidade. O Aurélio diz que esta palavra significa: “qualidade de fiel; lealdade. Constância, firmeza nas afeições, nos sentimentos; perseverança. Observância rigorosa da verdade; exatidão” (FERREIRA, 2004, p. 894). Do hebraico “aman” e do grego “aletheia”, ambos os termos significam: “o firme compromisso de Deus em manter as alianças por Ele estabelecidas com seu povo”. Sua fidelidade advém da natureza absoluta e infinitamente justa (2 Ts 3.3) e do exercício destes atributos: onipotência, onisciência e onipresença (ANDRADE, 2006, p. 190).

1.2 Fidelidade como atributo divino. A fidelidade como um atributo de Deus, denota a certeza que tudo quanto Ele declarou ser sua vontade, terá pleno cumprimento. O Senhor não é arbitrário e nem displicente, antes, é sempre confiável em tudo que diz e promete (Hb 6.18; 10.23; Ap 1.5; 3.7, 14). Sobre a fidelidade divina ainda podemos destacar: (a) Sua fidelidade é grande (Lm 3.23); (b) Permanente (Sl 100.5; 2 Tm 2.13); e (c) Extensa (Sl 36.5) (CHAMPLIN, 2004, p.725 – acréscimo nosso).

II – A FIDELIDADE DE DEUS AO CONDUZIR A HISTÓRIA

Esta carta aos Filipenses foi escrita em circunstâncias difíceis enquanto o apóstolo Paulo estava preso. Apesar dessa condição podemos perceber em cada momento dessa epístola e também fora dela, a fidelidade de Deus reafirmada na história humana.

2.1 Direcionando os seus servos na obra missionária. Em sua segunda viagem missionária a intenção do apóstolo Paulo era ir para Ásia, e depois para Bitínia, mas foi impedido pelo Espírito Santo (At 16.6,7). Estando em Trôade, Lucas conta que Paulo teve uma visão, que lhe deu nova rota para sua tarefa missionária (At 16.9). Após esta visão, o apóstolo concluiu que Deus o chamava para ali pregar o evangelho (At 16.10-12).

2.2 Na fundação da igreja em Filipos. “A primeira igreja estabelecida na Europa, na colônia romana de Filipos, nos revela o poder do evangelho em alcançar pessoas de raças diferentes, de contextos sociais diferentes, com experiências religiosas diferentes (Lídia asiática, a escrava era grega e o carcereiro romano), dando a elas uma nova vida em Cristo; formando uma igreja multicultural, mostrando que o evangelho de Cristo alcança a todas as pessoas” (LOPES, 2004, p.13 – acréscimo nosso) (At 16.14-18, 27-33). Embora Paulo tenha encontrado dificuldades (At 16.19-24); Deus conduziu em triunfo a pregação do evangelho naquela cidade, tornado-se “a porta de entrada para o evangelho na Europa” (At 16.12).

2.3 Através da prisão de Paulo. Paulo estava preso, impedido de viajar, de visitar as igrejas e de abrir novos campos. O apóstolo não cria na casualidade nem no determinismo, antes, na fidelidade de Deus. Ele sabia que a mão soberana da providência guiava o seu destino e que os seus sofrimentos estavam incluídos nos planos do Eterno para o cumprimento de propósitos mais elevados (Fp 1.12-14; Is 55.9). Paulo diz que as coisas que lhe aconteceram, em vez de desmotivá-lo, decepcioná-lo ou ainda, atrapalhar o projeto missionário, contribuíram para o progresso do evangelho. O termo proveito do grego “prokope” significa: “avanço pioneiro”; é um termo militar que se referia aos engenheiros do exército que avançavam à frente das tropas para abrir caminho em novos territórios […] “O mesmo Deus que usou o bordão de Moisés, os jarros de Gideão e a funda de Davi usou as cadeias de Paulo” (WIERSBE, 2006, p.85). Mesmo na prisão os planos de Deus não foram frustrados, Paulo aproveita-se da oportunidade para evangelizar a guarda pretoriana (Fp 1.13); que era a guarda imperial, a tropa de elite de Roma. Segundo Lopes “Dia e noite, durante dois anos, Paulo era preso a um soldado dessa guarda por uma algema. Visto que cada soldado cumpria um turno de seis horas, a prisão de Paulo abriu caminho para a pregação do evangelho no regimento mais seleto do exército romano. Paulo, no mínimo, podia pregar para quatro homens todos os dias. Toda a guarda pretoriana sabia a razão pela qual Paulo estava preso, e muitos desses soldados foram alcançados pelo evangelho” (Fp 4.22) (LOPES, 2004, p.72). As cadeias de Paulo não apenas o colocaram em contato com os perdidos, mas também serviram para encorajar os salvos (Fp 1.14).

III– A FIDELIDADE DEUS ATRAVÉS DOS FILIPENSES

Não há dúvida de que havia um carinho especial do apóstolo Paulo em relação à igreja de Filipos, isso se dá pela demostração do cuidado de Deus para com Paulo por meio daqueles irmãos.

3.1 A gratidão do apóstolo. É interessante a forma suave como Paulo agradece aos filipenses por terem lhe enviado o sustento necessário: “Ora, muito me regozijei no Senhor por, finalmente, reviver a vossa lembrança de mim; pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade” (Fp 4.10). A preocupação daqueles irmãos com o seu líder nada mais era do que uma retribuição à sua dedicação para com eles, ou seja, havia uma reciprocidade amorosa entre o pastor e as ovelhas. Isso está claro nas palavras de Paulo em toda a epístola (Fp 1.3-8; 2.19; 4.1).

3.2 O cuidado da igreja para com Paulo. A igreja em Filipos era dotada de uma profunda consciência no que dizia respeito ao sustento dos obreiros. Quando o evangelho começou a avançar na Macedônia e adjacências, foram esses crentes que proveram as necessidades do apóstolo Paulo (Fp 4.15); depois, quando estava em Tessalônica, por duas vezes foi ajudado pelos filipenses (Fp 4.16). Quando escreveu a epístola, Paulo agradeceu novamente por mais uma ajuda a ele enviada (Fp 4.10). Muito diferente da consciência dos filipenses, era a dos crentes de Corinto. Alguns deles chegavam a duvidar do apostolado de Paulo e se esqueciam de que fora ele quem fundara aquela igreja (1 Co 9.1). Paulo teve ainda que justificar o direito que ele tinha como apóstolo, de ser sustentado pela igreja (1 Co 9.2-10). Ele fez isso traçando um paralelo entre a Antiga e a Nova Aliança. Paulo demonstrou que o princípio válido para os levitas (mais especificamente para os sacerdotes), que eram, por determinação divina, sustentados pela nação de Israel, continuava válido no período da Igreja em relação àqueles que se dedicam integralmente à obra do Senhor (Nm 18.20-24; 1 Co 9.13,14).

IV – A FIDELIDADE DE DEUS EM MEIOS AOS SOFRIMENTOS

É inspirador observar o contentamento do apóstolo Paulo em meio às mais variadas provações. A carta aos filipenses é uma prova incontestável dessa verdade. Em vários trechos, Paulo manifesta sua alegria e a recomenda aos crentes, mesmo estando ele preso (Fp 1.3,4; 2.2,17,18; 3.1; 4.4). O apóstolo deixa claro que, apesar de estar grato pelo envio do sustento, o seu bem-estar não dependia disso, pois a sua suficiência estava em Cristo.

4.1 “Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi […]” (Fp 4.11-a). O termo utilizado, traduzido por “aprendi” é “manthano”, que dentre outros significados aponta para: “aprender ou compreender de uma vez por todas através da experiência”. O apóstolo teve experiências de atravessar as mais terríveis provações e sair vitorioso, porque entendia que o sofrimento tem objetivo pedagógico (Fp 4.12). Confira também (Sl 119.67,71).

4.2 “[…] a contentar-me com o que tenho” (Fp 4.11-b). A palavra “contente”, no grego “autarkes”, era muito utilizada naquela época pelos filósofos estóicos. Eles diziam que “um homem que em quaisquer circunstâncias conseguisse permanecer contente, era um homem verdadeiramente feliz”. No contexto desta e de outras passagens Paulo condena a ambição, que é o antônimo (contrário) do contentamento (Rm 12.16; 1 Tm 6.8). Aqueles que não sabem se contentar com o que tem “caem em tentação, em laço, em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína” (2 Tm 6.9). São bastante adequadas as palavras do sábio Agur para nos vacinar contra isso (Pv 30.8,9). Não é demais lembrar que o apóstolo Paulo estava preso quando escreveu a mais alegre de todas as suas epístolas (Fp 1.12,13,17; Fp 1.3,4; 2.2,17,18; 3.1; 4.4). Então ele tinha autoridade para ensinar acerca do contentamento cristão.

4.3 “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece” (Fp 4.13). Antes de Paulo fazer esta declaração, ele diz o que podia em Cristo: “Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade” (Fp 4.12). Percebe-se claramente aqui o que realmente Paulo queria dize: “ele podia em cristo viver sob qualquer condição”. A Bíblia NTLH (Nova Tradução da Linguagem de Hoje), traz uma tradução bastante interessante deste versículo é a seguinte: “Com a força que Cristo me dá, posso enfrentar qualquer situação”. Logo, o apóstolo apoiava-se na dependência de Cristo, e não em si mesmo.

CONCLUSÃO

Concluímos portanto, por meio da experiência do apóstolo Paulo, que a fidelidade de Deus é garantida em quaisquer situações aos crentes que lhe são fiéis. Aprendemos também que Deus possui o controle da história em sua mão e tudo faz para a glória do Seu Nome. De modo que, podemos nos alegrar em meio aos sofrimentos, crendo que Ele é poderoso para suprir todas as nossas necessidades, em Cristo Jesus (Fp 4.19).

  • REFERÊNCIAS
  • ANDRADE, Claudionor Correa de. Dicionário Teológico. CPAD.
  • CHAMPLIN, Norman. Enciclopédia de Bíblia e Teologia e Filosofia. HAGNOS.
  • LOPES, Hernandes Dias. Comentário Expositivo Filipenses. HAGNOS.
  • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
  • WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo. GEOGRÁFICA.

Fonte: https://ieadpe.org.br/

PRÓXIMO TRIMESTRE

  • Lições Bíblicas – CPAD
  • – Classe: Adultos
  • – Trimestre: 1º trimestre de 2017
  • – Título: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito
  • – Subtítulo: Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente.
  • – Comentários: Pr. Osiel Gomes

Sumário:revista-1-2017

  • Lição 1 – As Obras da Carne e o Fruto do Espírito
  • Lição 2 – O Propósito do Fruto do Espírito
  • Lição 3 – O Perigo das Obras da Carne
  • Lição 4 – Alegria, Fruto do Espírito; Inveja, Hábito da Velha Natureza
  • Lição 5 – Paz de Deus: Antídoto contra as Inimizades;
  • Lição 6 – Paciência: Evitando as Dissensões
  • Lição 7 – Benignidade: um Escudo Protetor contra as Porfias
  • Lição 8 – A Bondade que Confere Vida
  • Lição 9 – Fidelidade, Firmes na Fé
  • Lição 10 – Mansidão: Torna o Crente Apto para Evitar Pelejas
  • Lição 11 – Vivendo de Forma Moderada
  • Lição 12 – Quem Ama Cumpre plenamente a Lei Divina
  • Lição 13 – Uma Vida de Frutificação
Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s