José: Fé em meio às injustiças

  FLAG SPAINFLAG RUSSIANFLAG USAFLAG FRANCEFLAG GREECEFLAG GERMANYFLAG KOREANFLAG JAPANFLAG ITALYFLAG ISRAELFLAG CHINAFLAG INDIA

4º TRIMESTRE 2016

O DEUS DE TODA PROVISÃO

Esperança e sabedoria divina para a Igreja em meio às Crises

COMENTARISTA: Pr. Elienai Cabral

joseph

LIÇÃO 07 – JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS – (Gn 37.1-11)

INTRODUÇÃO

O livro do Gênesis contém cinquenta capítulos, sendo que treze são dedicados a história de José, igualando-se até mesmo a história do patriarca Abraão. Nessa lição teremos a oportunidade de aprender informações adicionais sobre José; pontuaremos algumas injustiças que ele viveu; e acima de tudo e veremos a importância da sua fé em Deus para superar as injustiças e também pontuaremos que muitos tomam José como um tipo de Cristo; uma pessoa inocente que sofreu por causa da maldade dos outros e, através do qual, o povo escolhido foi liberto da morte certa. O silêncio de José enquanto seus irmãos deliberam seu destino (Gn 37.12-35) prefigura o silêncio de Cristo perante seus juízes (1Pe 2.23).

I – DEFININDO FÉ E INJUSTIÇA

1.1 Fé. A palavra fé no hebraico é “heemim” e no grego é “pisteuõ”. A Bíblia diz que “a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem” (Hb 11.1). “É a confiança que depositamos em todas as providências de Deus. É a crença de que Ele está no comando de tudo, e que é capaz de manter as leis que estabeleceu. É a convicção de que a sua Palavra é a verdade. Enfim, é a tranquilidade que depositamos no plano de salvação por Deus estabelecido, e executado por seu Filho no Calvário” (ANDRADE, 2006, p. 188). A palavra “Fé” possui diversos significados, que serão definidos de acordo com o contexto onde está inserida. O dicionário Houaiss (2010, p.) define a palavra como: crença religiosa, confiança absoluta, comprovação e testemunho”. No AT a palavra “emunah” é traduzida por fidelidade, certeza. De modo geral é aplicada na relação entre Deus e Israel onde se exige de Israel uma atitude de fidelidade para com o Senhor (2 Cr 19.9; Dt 32.4; Sl 33.4; 119.30,86; Pv. 28.20). Já no NT a palavra “pistis” é traduzida primariamente por persuasão firme, convicção fundamentada no ouvir, sendo sempre usada no NT acerca da fé em Deus, Jesus ou coisas espirituais, podendo ser utilizada como confiança (Rm 3.25; 1 Co. 2.5; 15.14,17; 2 Co 1.24; Gl 3.23); fidedignidade, fidelidade e lealdade (Mt 23.23; Rm 3.3; Gl 5.22; Tt 2.10); crença, corpo de doutrina (At 6.7; 14.22; Gl 1.23; 3.25).

1.2 Injustiça. O Aurélio diz que injustiça é: “falta de justiça, ação ou coisa injusta, atitude sem fundamento” (FERREIRA, 2004, p.1108). Ser injustiçado é uma das coisas mais dolorosas de se enfrentar. Ao lermos a história desse patriarca, perceberemos de que ele foi vítima de várias injustiças: a) Invejado e vendido por seus irmãos (Gn 37.11, 26 – 28); b) Acusado e preso injustamente (Gn 39.13-20); c) Esquecido por quem lhe devia gratidão (Gn 40.23), etc. Apesar de tudo, José não nutriu em seu coração, o sentimento de indignação e revolta que geralmente toma conta de quem é alvo de injustiças, antes, revelou sua fé em Deus não permitindo que nenhuma raiz de amargura crescesse em seu coração (Hb 12.15; Ef 4.31).

II – INFORMAÇÕES SOBRE JOSÉ

José com certeza é um dos grandes exemplos que encontramos na Bíblia, quando pensamos sobre a necessidade de vencer as injustiças de nossos dias. Seu nome reflete o papel de sua vida na nação de Israel. Foi o agente de Deus na preservação e na prosperidade de seu povo no Egito, durante o período de fome na terra de Canaã” (GARDNER, 1999, p. 377 – acréscimo nosso). Vejamos ainda algumas informações que devemos considerar sobre ele:

2.1 Seu nascimento. José era filho de Raquel, a esposa amada de Jacó (Gn 29.18-20,30). Seu nascimento foi celebrado por sua mãe (Gn 30.22-24). José é descendente de um clã de patriarcas escolhido por Deus para iniciar a linhagem piedosa da qual nasceria o Messias (Gl 3.8,16, 18). A primeira referência a José se dá como resposta da oração de Raquel e como consolo divino diante do opróbrio que ela vivia por não gerar filhos (Gn 29.31; 30.22-24); O nome José vem de uma palavra hebraica que significa: “Yahweh acrescentará” ou “Yahweh adicionará”; ele foi o décimo primeiro filho de Jacó e o primeiro de sua esposa favorita, Raquel.

2.2 A predileção de seu pai. Em função de ser José filho de sua amada esposa Raquel (Gn 29.20, 30); bem como ser filho de sua velhice, Jacó destina um amor diferenciado a José em relação aos demais filhos (Gn 37.3); e declara-o ao lhe presentear como uma “túnica de várias cores”. A túnica chegava aos calcanhares e tinha mangas longas. Era a vestimenta usada por governantes ricos, e nem o pastor mais bem vestido, precisaria de algo do gênero para trabalhar nos campos. É provável que fosse a forma de dizer que havia escolhido José para ser seu herdeiro (WIERSBE, 2006, p.181).

2.3 Sua conduta em contraste a de seus irmãos. Ainda jovem José se destaca no ambiente familiar em razão de sua conduta exemplar como filho, já que seus irmãos não tinham uma boa reputação (Gn 37.2). Essa má “fama” que se divulgava de seus irmãos, por certo eram baixas qualidades morais, pelas quais seus irmãos eram conhecidos; fato que pode ser visto na conduta de Judá, que casou-se com uma cananeia e todo o seu procedimento é descrito no capítulo 38. A integridade de José pode ser vista em várias fases de sua vida, e em função disso vemos Deus revelando desde cedo, o grande projeto para com ele (Gn 37.2; 5-11).

2.4 Sua comunhão com Deus. Além de ser alvo da promessa divina, vemos José experimentando uma comunhão estreita com Deus. Em meio às dificuldades que marcaram a sua trajetória, notamos a companhia de Deus em cada momento mostrando a sua pessoalidade (Gn 39.2,3, 21,23; At 7.9). Deus não impede as lutas na vida de José, mas garante sua presença fazendo-o prosperar. Quem serve a Deus prospera até mesmo na servidão. Não sabemos o preço que Potifar ofereceu por José. Mas logo descobriria ter adquirido um bem mui valioso, pois tudo o que o jovem hebreu punha-se a fazer prosperava (Gn 39.6,7). Quem serve a Deus prospera em qualquer circunstância (Sl 1.3).

III – A FÉ COMO MEIO DE SUPERAR AS INJUSTIÇAS

José era bisneto de Abraão, amigo de Deus. À semelhança de seu pai, Jacó, e do avô, Isaque, era um homem de profundas experiências com o Senhor. A seu modo, era um profeta e um especialista em sonhos. Por causa da sua Fé em Deus, José triunfou em meio as injustiças das quais foi alvo. Seu nome foi elencado na galeria dos “Heróis da Fé” da epístola aos Hebreus (Hb 11.22). Notemos atitudes que tornam evidentes a sua fé:

3.1 Fé tendo integridade na casa dos pais. A família de Jacó passou por diversas crises: a) rixas entre as irmãs, Léia e Raquel (Gn 29.33; 30.1,8); b) injustiças (Gn 31.41) e intrigas financeiras (Gn 31.1); c) propensão à idolatria (Gn 31.34); e d) traição, violência, imoralidade e invejas (Gn 34.25-30; 35.22; 37.11). Diante desse contexto, que tipo de caráter José poderia ter? Entretanto, ele é um exemplo de que é possível, com a graça divina, manter-se puro e íntegro, mesmo convivendo com pessoas de comportamento reprovável (Fp 2.15).

3.2 Fé para se manter fiel (Gn 39.7-12). Sua fidelidade a Deus e ao seu patrão eram o suficiente para ele não ceder a tentação (Gn 39.8,9). A esposa de Potifar insistiu em convidá-lo a pecar, mas ele resistiu “[…] falando ela cada dia a José, e não lhe dando ele ouvido”…] (Gn 39.10). Não se dando por satisfeita, a mulher de Potifar tramou ficar sozinha com ele em determinada ocasião; foi ao seu encontro para forçá-lo a coabitar com ela, mas a resolução de José o fez fugir daquela investida (Gn 39.12-b). A mulher ardendo em ira acusou-o diante de seu marido e funcionários dizendo que José havia tentado molestá-la. Ele foi sentenciado a cadeia por este tão grande mal (Gn 39.14-20). “A punição menor, dada a José, de acordo com os intérpretes judeus, significou que Potifar acreditou em José, mas, a fim de poupar sua esposa de maior embaraço, sacrificou-o, embora por meio de um castigo mais brando do que seria de se esperar” (CHAMPLIN, 2001, p. 246). Sejamos fiéis a Deus custe o que custar (Pv 3.3; Dn 3.17,18; 6.3,4, 22; Ap 2.10).

3.3 Fé para testemunhar (Gn 41.33-36). Após dois anos na cadeia, José foi chamado por Faraó para interpretar o sonho que este monarca teve. José, quando interpelado por Faraó se tinha a habilidade de interpretar sonhos ele respondeu:“Isso não está em mim; Deus dará resposta de paz a Faraó” (Gn 41.16). Deus é proclamado diante do temido Faraó, por aquele que tinha tudo para se omitir em virtude do que havia passado. O Soberano do universo é quem domina sobre tudo e sobre todos, foi a mensagem de José: […] “porque esta coisa é determinada de Deus, e Deus se apressa a fazê-la” (Gn 41.32).

3.4 Fé para perdoar (Gn 45.1-5). Os sete anos de abundância sobrevieram a terra do Egito como fora predito, e agora, os sete anos de fome começavam a chegar. Segundo o que estava previsto, a fome foi tão grave que superou os anos de prosperidade. Ela atingiu não somente o Egito, como também todas as terras (Gn 41.57). Segundo o Dr. Norman Champlin (2001, p. 257): “Não foi o globo terrestre inteiro, mas a terra conhecida pelo autor do livro de Gênesis, ou seja, o Egito, a Arábia, a Palestina e a Etiópia, as nações que pediriam socorro ao Egito”. É nesse momento que a descendência de Jacó vem ao Egito a fim de pedir socorro a Faraó, sem saber que José era o seu administrador. José reconhece os seus irmãos, beneficia-os e depois de prová-los revela-se como irmão deles e os perdoa por sua maldade (Gn 45.1-5). O perdão é uma característica presente na vida daquele que tem o amor de Deus em seu coração (Mc 11.25; Ef 4.32; Cl 3.13).

3.5 Fé para crer nas promessas. Apesar de ter abrigado Jacó e seus descentes confortavelmente em Gósen no Egito, José sabia que o seu povo não ficaria ali para sempre. Já próximo da sua morte, José deu duas declarações que merecem ser destacadas:1)a profecia de José (Gn 50.25a). Este servo do Senhor conscientizou os hebreus que no tempo certo Deus interviria tirando-os do Egito, para conduzi-los de fato a uma terra permanente; e, 2) a esperança de José (Gn 50.25-b). José deixou o mundo dando testemunho de sua fé na promessa de que Israel voltaria a Canaã, pois ordenou que seu corpo fosse embalsamado a fim de ser levado para a Palestina. Isto foi realizado anos mais tarde por Moisés e Josué (Êx 13.19; Js 24.32).

CONCLUSÃO

A biografia do patriarca José é uma das mais belas e inspiradoras. “A sua história é tão notavelmente dividida entre a sua humilhação e a sua exaltação, que podemos ver nela alguma semelhança com Cristo, que primeiro foi humilhado e depois exaltado. Em muitos casos, José tipificou o Senhor Jesus” (HENRY, 2010, p. 178). “A história de José nos revela como os descendentes de Jacó vieram a ser uma nação dentro do Egito. Esta seção de Gênesis não somente nos prepara para a narrativa do êxodo do Egito, como também revela a fidelidade que José sempre teve para com Deus, e as muitas maneiras como Deus protegeu e dirigiu a sua vida para o bem doutras pessoas. Ressalta a verdade de que os justos podem sofrer num mundo mau e iníquo, mas que, por fim, triunfará o propósito de Deus reservado para eles” (STAMPS, 2006, p. 90).

REFERÊNCIAS

  • ANDRADE, Claudionor de. Dicionário Teológico. CPAD.
  • GARDNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA.
  • CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS
  • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

Fonte: https://ieadpe.org.br/

Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s