A evangelização dos grupos religiosos

  FLAG SPAINFLAG RUSSIANFLAG USAFLAG FRANCEFLAG GREECEFLAG GERMANYFLAG KOREANFLAG JAPANFLAG ITALYFLAG ISRAELFLAG CHINAFLAG INDIA

3º TRIMESTRE 2016

O DESAFIO DA EVANGELIZAÇÃO

Obedecendo o ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura

COMENTARISTA: Pr. Jose Gonçalves

LIÇÃO 08 – A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS – (Jo 3.1-16)

INTRODUÇÃO

Nesta lição, refletiremos, um pouco sobre um dos desafios da Igreja atual, a evangelização dos grupos religiosos. Embora tomados aqui de forma específica visando atender a metodologia do autor da lição, não devemos nos esquecer que todos os membros dessas organizações religiosas são pecadores, e como tal, precisam nascer de novo.

I – DEFINIÇÕES:

1.1 Religião. A religião é um sistema de crenças, doutrinas e rituais que são próprios de um grupo social. “Religião é um sistema comum de crenças e práticas relativas a seres sobre-humanos (…) que podem fazer coisas que nós não podemos (…) e que podem tomar a forma de ancestrais, deuses ou espíritos (Enciclopédia Merrian-Webster de Religiões do Mundo). No caso das religiões não cristãs, que apesar de negarem os valores cristãos , não são seitas em virtude de sua estrutura, história e influência na sociedade. São reconhecidas como falsas religiões, com exceção do Judaísmo, que originalmente veio de tempo por causa da sua rejeição ao Messias. Já qualquer movimento que discorda dos pontos fundamentais da fé cristã, defendido pelos três principais ramos do Cristianismo, tais como: autoridade da Bíblia, Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, pecado, inferno, salvação e o homem é seita (SOARES, p. 25-27).

1.2 Seita. O termo seita do grego “hairesis”, procede de uma raiz que significa “selecionar”, “escolher” ou “facção”, traduzido pela Vulgata Latina (Tradução do grego para o Latim) por “secta”. Grupo de pessoas que optam por seguir uma doutrina contrária à ortodoxia. O termo e seus derivados acham-se com abundância nas páginas do NT (Mt 12.18; 1Co 11.19; Gl 5.20; Fp 1.22; 2Ts 2.13; Hb 11.25; 2Pe 2.1). Originalmente, um herege do grego “hairetikos” era alguém cuja opinião distinguia-se da teoria de um partido ou escola de pensamento historicamente estabelecido (ANDRADE, 2006, p. 329 – grifo e acréscimo nosso).

II – PRINCIPAIS GRUPOS RELIGIOSOS DOS DIAS DE JESUS

O Novo Testamento usa a palavra grega “hairesis” para identificar esses grupos religiosos. O apóstolo Paulo disse: “… conforme a mais severa seita da nossa religião, vivi fariseu” (At 26.5). Essa mesma palavra é usada para identificar os saduceus: “E, levantando-se o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele (e eram eles da seita dos saduceus), encheram-se de inveja” (At 5.17). Veja que o judaísmo, que era a religião de Saulo antes de sua conversão, conforme Gálatas 1.13,14, congregava em seu bojo esses grupos religiosos, que o próprio Novo Testamento chama de seita. Dois principais grupos religiosos surgiram dentro do judaísmo no período inter bíblico, nos dias de João Hircano II, da família dos Macabeus, por volta da metade do séc. II, a.C. Foram eles os fariseus e os saduceus, cada um desses grupos com suas características sociais, religiosas e políticas.

2.1 Os fariseus. Os fariseus, do hebraico “prushim”, que significa “separados”, porque não concordavam com os saduceus. Defendiam a separação do Estado da religião e achavam que o estado devia ser regido pela Torá, a lei de Moisés. Eram provenientes principalmente da classe média urbana, mas havia alguns camponeses. Representavam o povo, e apesar de serem minoria na sociedade pré-cristã, exerciam fortes influências na comunidade judaica. Eram membros do sinédrio e tornaram-se inimigos implacáveis de Jesus. Os evangelhos estão repletos de provas do comportamento negativo dos fariseus e de suas hipocrisias. Jesus os censurou severamente em Mateus 23. Eles se caracterizaram de maneira marcante pela hipocrisia. Jesus, porém, evangelizou Nicodemos, fariseu e um dos principais dos Judeus, com a maior de todas as mensagens: a do amor de Deus (Jo 3.1-21).

2.2. Os saduceus. O nome vem do hebraico, tsedukim”, de Zadoque, família que detinha o cargo de sumo sacerdote desde a época de Salomão: “… e a Zadoque, o sacerdote, pôs o rei em lugar de Abiatar” (1 Rs 2.35). Defendiam a política expansionista dos Macabeus e a união da religião com o Estado, queriam que o sumo sacerdote governasse a nação. Alegavam aceitar apenas os cinco livros de Moisés, rejeitando os demais livros do AT. Aceitavam o Pentateuco com certa reserva, pois não acreditavam em anjos, espíritos e nem na ressurreição: “… os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito; mas os fariseus reconhecem uma e outra coisa” (At 23.8). Por isso Jesus fez questão de mostrar que é o Pentateuco que mostra ser o Deus de Abraão, e Deus de Isaque, e Deus de Jacó, o Deus de vivos e não de mortos, em Lucas 20.37,38. Por que Jesus não citou outras partes das Escrituras que falam da ressurreição dos mortos? Para tomar mais evidente a contradição das crenças dos saduceus. Muitos deles eram sacerdotes, conforme já vimos em Atos 5.17, e eles exerciam fortes influências no Sinédrio.

III – PRINCIPAIS GRUPOS RELIGIOSOS NOS DIAS DA IGREJA PRIMITIVA

3.1 Religião do Estado – O panteão greco-romano a adoração aos ídolos estava entrelaçada com todos os aspectos da vida. Era encontrada em todos os lares para serem adoradas. Em todas as cidades eram oferecidas libações aos deuses. As imagens eram adoradas em todas as cerimônias cívicas ou provinciais. Um exemplo claro disso é a adoração de Ártemis, em Éfeso, a imagem que diziam ter caído do céu (At. 19.27,35). A devoção fanática é evidenciada pelo motim que encheu o anfiteatro (At. 19.34).

3.2.O culto ao imperador (2 Ts 2.3,4; At. 17.7) – A adoração ao imperador era considerada uma prova de lealdade. Nos lugares mais visíveis de toda cidade, havia uma estátua do imperador reinante, para onde deveriam ser dirigir oferendas e incensos como se ofereciam aos deuses.

3.3.As religiões de mistérios – era o ocultismo daqueles tempos, o acatamento e respeito supersticiosos das massas para com aqueles poderes do universo que não podiam compreender, embora os sentisse de modo vago (Cl 2.18,19). Os feiticeiros são mencionados em Atos, como rivais dos pregadores do evangelho (At. 8.9-24; 13.6-11).

3.4.Os Judaizantes – A controvérsia judaizante, que começou em Antioquia e que aflingiu Paulo ao longo de todo seu ministério, foi o arauto de muitos outros erros que atacaram a igreja do primeiro século (Gl 1-3). Nas epístolas a Timóteo e a Tito, Paulo deu grande ênfase à ortodoxia doutrinária, predizendo que mais tarde alguns se afastariam da fé, dando ouvidos a espíritos sedutores e a doutrina demoníaca ( 1Tm 4.1; 2 Tm 4.4). As epístolas de 2 Pedro, Judas, 1,2,3 João, foram escritas para resolver problemas criados por essas tendências para as falsas doutrinas dentro da Igreja resultante de grupos religiosos da época, que se constituíam um duplo desafio para o apóstolo: barrar os falsos ensinos, bem como, ganhar os adeptos desses grupos para o reino de Deus.

IV – PRINCIPAIS GRUPOS RELIGIOSOS DESAFIADORES:

4.1.No Mundo – Religiões Orientais (Hinduísmo, Budismo, Jainismo, Confuncionismo, Xintoísmo, etc); Religiões Primitivas (Tradicionais de povos nativos da África, América, Ásia, ilhas da Oceania, Ex. Xamanismo, Totemismo, Magia, etc); Religião Oriental (Islamismo), este último, tem crescido assustadoramente, sobretudo pela imigração causada pelas guerras.

4.2.No Brasil As Testemunhas de Jeová ensinam que a redenção de Cristo oferece apenas a oportunidade para a pessoa alcançar a salvação através das obras. Jesus apenas abriu o caminho, o restante é com o homem. Uma de suas obras diz: “trabalhamos arduamente com o fim de obter nossa própria salvação”. Os Adventistas creem que a vida eterna só será concedida aos que guardarem a lei, que para eles implica a guarda obrigatória do Sábado. O Espiritismo. Creem na reencarnação e na consulta os mortos. Inclui-se aqui o Candomblé, Umbanda e Quimbanda. Catolicismo Romano. Crê na mediação dos santos, na intercessão por Maria e num purgatório etc. Os Mórmons afirmam crer no sacrifício expiatório de Jesus, porém, sem o cumprimento das leis estipuladas pela igreja deles não haverá salvação. A Congregação Cristã no Brasil. Não aceitam nem creem num mistério pastoral, no dízimo nem tampouco na evangelização.

V – COMO ALCANÇAR OS GRUPOS RELIGIOSOS NOS DIAS ATUAIS

Embora estejamos tratando de grupos religiosos, entretanto, o contato com os membros desses grupos, sempre será pessoalmente. Por isso o Evangelismo Pessoal é de grande relevância e é a obra de falar de Cristo aos perdidos individualmente: é levá-los a Cristo, o Salvador (Jo 1.41,42; At 8.30). A importância vê-se no fato de que a evangelização dos pecadores foi o último assunto de Jesus aos seus discípulos antes de ascender ao céu (Mc 16.15,19; At 1.8,9). Ganhar almas foi a suprema tarefa do Senhor Jesus aqui na terra (Lc 19.10; 1Tm 1.15). Vejamos alguns passos para alcançarmos esses grupos:

5.1 Leia a Bíblia e se familiarize com a Palavra (2 Tm 2.15; 3.15);Não se pode evangelizar sem se conhecer a Palavra.

5.2 Ore por aqueles que você quer ganhar para Jesus (Fp 4.6; 1 Tm 2.1; Lc 11.5-10);

5.3 Procure conhecer o máximo que puder sobre o grupo a ser alcançado, com isso você saberá que abordagem e que textos específicos precisará utilizar na evangelização daquele grupo (1 Cor. 9.19-22);

5.4 Trate a cada um com respeito, amor e consideração (Fl 2.3; Jo 13.34; 15.12), não procure depreciar a religião do outro, denegrindo a imagem do fundador, crenças ou práticas religiosas, Jesus é o nosso maior exemplo de respeito e amor ao próximo (Jo 3.1-16; 4.4-30; Gl 5.13-16);

5.5 Procure entender que são ovelhas que não tem pastor (Mt 9.36; Mc 6.34) e que estão enganados (2 Cor. 4.4; 1 Cor 2.14), tanto quanto estávamos antes de aceitarmos Jesus ( Ef. 2.2,3, 11,12; Is. 53.6-12); .

5.6 Demonstre o amor de Deus por meio de seu testemunho (Mt 5.14,16; Jo 13. 34,35;2 Cor. 2.17; 3.2,3; Cl 2.6; 1 Jo 2.6); Sendo atencioso (Jo 4.17); Falando com convicção (At 27.25; 2Tm 1.12); Persistindo e nunca discutir (Rm 14.19; 2Tm 2.24- 25); Usando a sabedoria divina (Rm 10.9); Dando ênfase ao Senhor Jesus (At 4.12; Jo 14.6);

CONCLUSÃO

Os grupos religiosos são desafios contemporâneos à Igreja do séc. XXI, e que como os apóstolos, precisamos conquistálos em “[…] demonstração do Espírito e do poder de Deus” (2 Co 2.4b). Nunca devemos evangelizar com o intuito de agredir ou maltratar alguém porque por professar uma outra fé. A marca que o Senhor disse que seus discípulos teriam é o amor: “Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros” (Rm 14.19). Temos que mostrar com respeito e mansidão a verdade que a Bíblia ensina:“A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um” (Cl 4.6); “[…] estai sempre preparados para responder com mansidão e temor…” (1Pd 3.15,16); “E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim ser manso para com todos…” (2Tm 2.24,25).

REFERÊNCIAS

  • ANDRADE, Claudionor Correa de. Dicionário Teológico. CPAD.
  • BÍCEGO, Valdir. Manual de Evangelismo. CPAD.
  • BOYER, Orlando. Esforça-te para Ganhar Almas. Vida.
  • SOARES, Ezequias. Manual de Apologética. CPAD.
  • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
  • TENNEY, Merril C. O Novo Testamento: sua origem e análise. VIDA NOVA.

Fonte: REDE BRASIL

Enriqueça ainda mais suas aulas com esses comentários: Clique na imagem abaixo.

Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s