O nascimento de Jesus

  FLAG SPAINFLAG RUSSIANFLAG USAFLAG FRANCEFLAG GREECEFLAG GERMANYFLAG KOREANFLAG JAPANFLAG ITALYFLAG ISRAELFLAG CHINAFLAG INDIA

2º TRIMESTRE 2015

JESUS, O HOMEM PERFEITO

O Evangelho de Lucas, o médico amado

COMENTARISTA: Pr. JOSE GONÇALVES

 Jesus born

LIÇÃO 02 – O NASCIMENTO DE JESUS – (Lc 2.1-7)

 INTRODUÇÃO

Nesta lição, veremos algumas profecias do AT que tratam do nascimento de Jesus, estudaremos alguns aspectos relacionados quanto ao local de sua natividade e a observância da Lei pelos seus pais. Ainda analisaremos a doutrina do auto esvaziamento ou kenosis e também da união das duas naturezas que conhecemos como união hipostática.

I  – O NASCIMENTO DE JESUS E AS PROFECIAS DO AT

Muitas pessoas duvidam que Jesus tenha realmente nascido e existido, mas muitos historiadores escreveram sobre Ele como os historiadores romano Tácito, Plínio, o historiador judeu Flávio Josefo e até o Talmude se refere a Jesus de Nazaré como uma pessoa histórica. Os dois primeiros capítulos do Evangelho de Lucas preocupam-se com as circunstâncias do nascimento de Jesus e indicam claramente que a vinda do Salvador foi uma intervenção direta de Deus nos negócios humanos. Há mais de trezentas referências do AT que se cumpriram em Jesus. Vejamos algumas:

PROFECIA PROFETIZADO EM: CUMPRIDO EM:
O Messias seria filho da mulher Gn 3.15 Gl 4.4
O Messias seria descendente de Abraão, Isaque e Jacó Gn 12.3; 17.19; 28.14 At 3.25; Lc 3.23; Mt 1.1-13
O Messias descenderia da tribo de Judá Gn 49.10; Sl 2.6-9 Lc 3.33,34; Mt 1.2-3
O Messias descendente de Davi e herdeiro do trono II Sm 7.12-13; Sl 132.11; Jr 23.5 Mt 1.1,6
O Messias nasceria de uma virgem Is 7.14 Mt 1.18 Lc 1.26-35
O Messias seria chamado do Egito Os 11.1 Mt 2.15
O Messias nasceria em Belém Mq 5.2 Mt 2.1-2

 II  – O NASCIMENTO DE JESUS, LOCAL E O TEMPO

Sete séculos antes de Cristo, já havia profecia sobre seu nascimento. O profeta Miqueias é bem explícito em indicar o lugar desse acontecimento de forma peremptória (decisiva, incontestável) e inegável dando-lhe seu antigo nome aramaico Efrata, além do nome hebraico Belém, ambos significando “casa de pão”. Tanto a divindade como a humanidade de Cristo são claramente apresentadas neste versículo: como Homem, nasceu na estrebaria em Belém; como Deus, existia “desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” (Is 7.13,14; 9.6,7) (SHEDD, 1997, p. 1287 – acréscimo nosso). Lucas é o único autor dos Evangelhos que data o seu material relacionando-o com o imperador reinante da época (Lc 3.1). Analisemos:

  1. “E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse” (Lc 1). A expressão “Todo o mundo…” significa todo o império romano, e não todo o mundo conhecido. Augusto ordenou que se fizesse um alistamento do império, o qual serviria de base para o lançamento dos impostos. O decreto foi assinado cerca de 8 a.C., mas provavelmente não entrou em vigor senão alguns anos mais tarde (MOODY, sd, p. 13).
  2. “Este primeiro alistamento foi feito sendo Quirino presidente da Síria” (Lc 2). Sulpicius Quirinius foi eleito governador da Síria em 6 d.C., e realizou um recenseamento na Judéia naquela ocasião. Há boas evidências de que ele foi governador duas vezes, e que o seu primeiro governo foi de 4 a.C. a 1 d.C. O recenseamento anterior devia estar terminando quando ele assumiu o governo pela primeira vez (MOODY, sd, p. 14).
  3. “E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade” (Lc 3). Na Judeia cada homem voltava à cidade dos seus ancestrais onde ficavam guardados os registros de sua família. Tanto José quanto Maria (que estava prestes a dar à luz) eram descendentes de Davi e, portanto, foram para a capital da sua tribo para serem registrados, uma viagem difícil de mais de 112 quilômetros através de um terreno montanhoso (MACARTHUR, 2011, p. 11).

 III   – O NASCIMENTO DE JESUS E A OBSERVÂNCIA DA LEI

Lucas passa a nos contar algo acerca do menino Jesus (Lc 2.21-40). Sua coletânea de informações é maior do que em qualquer dos demais Evangelhos. A circuncisão (Lc 2.21). Jesus foi circuncidado no oitavo dia de acordo com a lei judaica (Gn 17.12). Nasceu “sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei” (G1 4.4-5) e foi, portanto, sujeitado às exigências da lei. Lucas dá ênfase à nomeação do menino, como lhe chamara o anjo. A apresentação no Templo (Lc 2.22- 24). Duas cerimônias bem separadas são envolvidas aqui: a apresentação do menino e a purificação da mãe. A apresentação do menino segue-se do fato de que todo primogênito ao Senhor será consagrado (Êx 13.2, 12, 15; Nm 18.15). Embora Lucas não mencione o fato, sem dúvida os cinco siclos usuais foram pagos para “redimir” o primogênito (Nm 18.15-16).

A lei levítica estipulava que, depois do nascimento de um filho, uma mulher ficaria impura durante os sete dias até a circuncisão do menino, e que, por mais trinta e três dias, devia manter-se afastada de todas as coisas sagradas num total de 40 dias de purificação (para uma filha, o tempo era dobrado Lv 12.1-5). Na ocasião, devia sacrificar um cordeiro e uma pomba ou pombo. Se fosse pobre demais para um cordeiro, bastaria uma segunda pomba ou pombo (Lv 12.6-13). A oferta de Maria, portanto, foi a dos pobres.

IV  – O NASCIMENTO DE JESUS E O “AUTO-ESVAZIAMENTO” OU KENOSIS

O vocábulo “kenosis”, é oriundo do verbo grego, “kenoun”, que significa “esvaziar”. Talvez ele tenha relação com expressões do AT na Septuaginta (Tradução do Antigo Testamento para o hebraico), que descreve o ato de “derramar” (Gn 24.20), “esvaziar” (Is 53.12). A expressão “ekenôsen” não tem a intenção de falar do sentido metafísico, isto é, que Cristo tenha se despojado de seus atributos divinos, mas é uma expressão da totalidade de sua autorrenúncia. Ele não quis usar de todos os seus direitos pessoais e seus interesses a fim de assegurar o bem-estar dos outros (MOODY, sd, p. 15). Abaixo destacaremos duas interpretações da kenosis para melhor nosso melhor entendimento:

  1. A maneira errada desta doutrina. A kenosis ou Teoria Kenótica ou ainda Teologia Kenótica surgiu quando vários teólogos interpretaram Filipenses 2.5-7 erroneamente ensinando que Jesus deixou de ser Deus no seu auto esvaziamento. Essa opinião da doutrina da kenosis postula que Jesus se “esvaziou da forma de Deus”, retendo apenas os atributos éticos de sua divindade como amor, misericórdia, paz etc, e abriu mão dos atributos infinitos como onipotência, onipresença, onisciência assumindo qualidades humanas.
  2. A maneira correta desta doutrina. Concordamos com a ideia do “auto esvaziamento de Cristo”, mas não com a noção de que ele deixou de ser divino, como alguns teólogos afirmam. A kenosis foi mais uma aquisição de atributos humanos do que uma desistência dos atributos divinos. O Logos se tornou carne e, enquanto nesta forma, assumiu uma subordinação temporária. Em outras palavras, sendo o Deus encarnado, ele livremente deixou de usar seus atributos (não deixou de tê-los) especialmente os atributos incomunicáveis, como onipresença ou onipotência, embora estes atributos ainda fizessem parte de sua natureza divina. […] ao retornar ao trono celestial, ele assumiu novamente a plena igualdade, em todos os sentidos, com o Pai (FERREIRA, 2010, pp. 529,530).

V – O NASCIMENTO DE JESUS E A UNIÃO “HIPOSTÁTICA” OU A UNIÃO DAS DUAS NATUREZAS

A afirmação correta da plena divindade de Cristo, bem como de sua plena humanidade, tem implicações soteriológicas fundamentais. Cristo é 100% Deus e 100% homem. A doutrina da união “hipostática” é definida pela existência de Cristo em duas naturezas, divina e humana, que não se fundem nem se alteram; por outro lado, não se separam e nem se dividem, compondo e estabelecendo uma só pessoa e uma só “subsistência” eternamente (GRUDEM, 1999, p. 454). Em suma, isso quer dizer que Cristo é plenamente divino e totalmente humano para todo o sempre, visto que Cristo, mesmo agora, na eternidade, possui um corpo humano (At 1.11; Ap 5.6). Vejamos:

  1. Jesus é plenamente Deus. Há abundante relato bíblico afirmando a divindade de Cristo. Jesus é apresentado na Escritura como sendo preexistente (Jo 1.3; 1Co 15.47), qualidade logicamente restrita à Deidade. O Senhor também manifestou, mesmo em sua primeira vinda, todos os atributos chamados incomunicáveis, logicamente pertencentes somente a Deus (Jo 17.5; Hb 13.8; Mt 18.20; Jo 2.23; Jo 5.17; etc.). Do fato de Cristo ter, ele mesmo, perdoado pecados (Mt 9.2), aceitado adoração (Jo 13.13), exercido poder sobre demônios e realizado milagres e sinais (Jo 5.21), além de ter declarado explicitamente sua divindade (Jo 10.30), depreende-se também a realidade de sua natureza divina.
  2. Jesus é plenamente homem. Tal como a Escritura declara nitidamente a divindade de Cristo, aponta também sua plena humanidade. Esta humanidade pode ser vista no fato de que Cristo chamava a si mesmo por nomes que designam humanidade (Lc 19.10), e foi assim chamado por seus apóstolos (1Tm 2.5). Como homem, Cristo esteve sujeito às limitações condizentes ao ser humano: sentiu fome, sede, se cansou, chorou etc. (Mt 4.2; Jo 19.28; 4.6; 11.35). Cristo também possuía e possui uma natureza humana completa, isto é, ele não tinha (ou tem) apenas um corpo humano (Lc 2.52), mas também alma e espírito humanos (Mt 26.38; Lc 23.46). Em suma, Cristo, desde sua encarnação, é um ser humano completo. Em Cristo, Deus se fez homem e, novamente, se assim não fosse, não poderia redimir a humanidade. Quem recebeu a promessa de morte não foi o corpo de um ser humano, mas um homem completo, com sua constituição material e imaterial. Logo, somente alguém que possuísse uma natureza humana completa poderia sofrer a penalidade estipulada (MORRIS, 2007, p. 83).

CONCLUSÃO

Aprendemos que Jesus é Deus, que há diversas profecias a seu respeito no AT que se cumpriram cabalmente no NT, e ainda estudamos sobre duas importantes doutrinas sobre a pessoa do Cristo, a saber, a doutrina do auto esvaziamento e a das duas naturezas com suas inferências na ortodoxia cristã.

REFERÊNCIAS

  • FERREIRA. Franklin, MYATT. Alan, Teologia Sistemática. Vida Nova. 2008.
  • GRUDEM. Wayne. Teologia Sistemática: Atual e Exaustiva. Vida Nova. 1999
  • MACARTHUR, John. I.ucas: Estudos Bíblicos. Editora Cultura Cristã. 2011.
  • MORRIS, Leon L. O evangelho de Lucas – introdução e comentário. Vida Nova. 2007.
  • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

Fonte: REDE BRASIL

Enriqueça ainda mais suas aulas com esses comentários: Clique na imagem abaixo.

Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s