Os pecados de omissão e de opressão

 FLAG SPAINFLAG RUSSIANFLAG USAFLAG FRANCEFLAG GREECEFLAG GERMANYFLAG KOREANFLAG JAPANFLAG ITALYFLAG ISRAELFLAG CHINAFLAG INDIA

TERCEIRO TRIMESTRE DE 2014

Fé e obras

Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica

COMENTARISTA: Pr. Eliezer de Lira e Silva

LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO – (Tg 4.17; 5.1-6)

INTRODUÇÃO

               Nessa penúltima lição do trimestre, estudaremos sobre dois tipos de pecados descritos na epístola de Tiago: o de omissão, que consiste em deixar de fazer o que é bom e correto; e o de opressão, que trata-se de uma atitude injusta e cruel dos ricos sobre os pobres. Veremos, então, a definição de cada um desses pecados; citaremos alguns exemplos bíblicos; e estudaremos o ensino do apóstolo Tiago acerca da opressão dos ricos sobre os pobres.

I – DEFINIÇÕES DOS PECADOS DE OMISSÃO E DE PRESSÃO

1.1 Pecados de Omissão. Consiste em deixar de fazer o bem. Aquele que conhece a vontade de Deus e não obedece torna-se ainda mais transgressor do que aquele que não conhece (Mt 24.45-51; Lc 12.35-48; II Pe 2.21).

1.3 Pecados de Opressão. No contexto da carta do apóstolo Tiago, trata-se da opressão econômica dos ricos sobre os mais pobres. Desde o AT que o Senhor condenou esta prática (Is 3.15; Jr 5.26,27; Am 5.10-12). Este foi um dos principais temas da epístola de Tiago (Tg 1.10; 2.16; 5.1-6).

II – O PECADO DE OMISSÃO

            Depois de ensinar a igreja sobre a maledicência e a soberania de Deus (Tg 4.11-16), o apóstolo Tiago conclui seu ensino dizendo: “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e o não faz comete pecado” (Tg 4.17). Como é comum em sua epístola, Tiago, mais uma vez aborda a responsabilidade de unir a teoria e a prática (Tg 1.22-27; 2.12,14-17; 3.13). Neste caso, significa saber e fazer o bem. Caso contrário, torna-se em pecado de omissão. Vejamos alguns exemplos:

  • O servo que soube a vontade do seu senhor e não fez (Mt 24.45-51);
  • O levita e o sacerdote da parábola do Bom samaritano (Lc 10.25-37);
  • O rico que vestia-se de púrpura e linho finíssimo e não socorreu o mendigo Lázaro (Lc 16.19-31);
  • Os ricos, que, em vez de ajudar, oprimem os mais pobres (Tg 5.1-6).

             Além desses exemplos, podemos citar ainda os pecados que são decorrentes da opressão dos ricos sobre os pobres (tema que estudaremos a seguir), pois, muitas vezes, além de enriquecerem ilicitamente explorando os menos favorecidos, muitos ricos tornam-se omissos, deixando de fazer o bem. Quantos benefícios eles poderiam ter feito aos mais pobres, se não fossem opressores e desonestos?

  • Os pobres poderiam ter sido assistidos (Êx 23.11; Lv 19.10; Dt 15.4,7-11; Sl 132.15);
  • O estrangeiro, o órfão e as viúvas poderiam ter sido atendidos em suas necessidades (Êx 22.22; Dt 10.18; 14.29);
  • O salário dos trabalhadores sendo pagos de maneira justa, lhes dariam melhor qualidade devida (Dt 24.14,15).

III – O PECADO DE OPRESSÃO

            Em Tg 5.1-6 o apóstolo Tiago traz uma séria advertência contra as riquezas adquiridas de forma desonesta, à custa do sofrimento dos mais pobres, bem como da riqueza acumulada sem qualquer função social ou beneficente. Embora ele já tenha falado acerca desse assunto anteriormente (Tg 1.10,11), dessa vez ele é mais contundente. Porém, devemos deixar bem claro nesta lição que não se trata da condenação da riqueza, e sim, da forma que ela foi adquirida, como veremos a seguir:

3.1  “Eia agora, vós, ricos, chorai e pranteai por vossas misérias, que sobre vós hão de vir” (Tg 5.1). A expressão “Eia agora” também usada em (Tg 4.13) tem o sentido de “prestem atenção”. O apóstolo chama a atenção dos ouvintes para o que haveria de lhes dizer. Quanto aos ricos, devemos entender que a Bíblia não condena a riqueza, desde que ela seja adquirida como fruto da bênção de Deus e do trabalho honrado (Sl 112; Pv 10.4; Ec 2.24; 5.3.13,18,19; Mt 5.45). O que a Bíblia condena é o amor do dinheiro, “que é a raiz de toda espécie de males” (I Tm 6.10), bem como as riquezas adquiridas por meios e para propósitos ilícitos (Am 2.6; Is 5.8). Por isso, Tiago diz que os ricos deveriam chorar e prantear, que traz a ideia de “chorar em voz alta” pelas suas misérias e pelo que lhes sobreviriam, o que significa dizer que o juízo divino era inevitável (Jó 20.15-19; Is 13.6; 14.31; 15.3; Jl 1.5; Ap 6.15,16). Por isso, não devemos ter esperança na incerteza das riquezas: “… se as vossas riquezas aumentarem, não ponhais nelas o coração”(SI 62.10). O apóstolo Paulo diz:“Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a sua esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que nos concede abundantemente todas as coisas para delas gozarmos”(I Tm 6.17).

3.2 “As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas da traça” (Tg 5.2). Nesse texto, Tiago advertiu os ricos opressores sobre o presente julgamento: as riquezas sendo devoradas. O apóstolo especifica dois tipos de riquezas comuns nos tempos bíblicos: os grãos (Dt 28.8; Pv 3.10; Lc 12.18) e as vestes (Gn 45.22; Jz 14.12; Lc 16.19). O apóstolo diz que os grãos e cereais estão apodrecidos. O termo grego é “sesepen” que tem o sentido de “podre”, “corrompido” ou “corrupto”. Quanto as vestes, Tiago diz que estão roídas pelas traças. Embora elas pareçam esplêndidas diante dos homens, elas são perecíveis e se estragam facilmente (Mt 6.19). Em outras palavras, o que o apóstolo diz é que as riquezas ilícitas dos ímpios opressores que foram entesouradas ilicitamente, não têm valor algum diante de Deus, e que elas não poderiam livrar-lhes da ira divina (Pv 10.2; 11.4; Ap 6.15). Isto nos ensina que as riquezas mal adquiridas acarretam no inevitável julgamento de Deus (Tg 5.1,3,5).

3.3 “O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem  dará testemunho contra vós e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias”(Tg 5.3). Todos nós sabemos que a ferrugem não pode corromper a prata e o ouro. Logo, o sentido não é literal, e sim, figurado, e tem o sentido de algo que é perecível e inútil do ponto de vista divino ou espiritual. Em outras palavras, Tiago diz que até mesmo aqueles objetos que parecem ser indestrutíveis e de grande valor para os homens, estão condenados a decadência e destruição, ou seja, são inúteis diante do justo juiz (Sl 7.11; 119.137; Jr 11.20; Ap 16.7). Também, figuradamente, Tiago diz que a ferrugem dará testemunho contra os ricos, e que ela comerá as suas carnes, ou seja, as riquezas acumuladas ilicitamente, através da opressão aos pobres serão lembradas no Dia do Juízo. Por isso, ele diz: “…Entesourastes para os últimos dias”.Deus julgará os homens segundo as suas obras (Mt 16.27; Rm 2.6; Ap 2.23; 20.12).

3.4 “Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras e que por vós foi diminuído clama; e os clamores dos que ceifaram entraram  nos ouvidos do Senhor dos Exércitos” (Tg 5.4). A figura utilizada nesse texto é a mesma de (Gn 4.10) onde o sangue de Abel “clamava” a Deus por vingança. Nesse texto, quem está “clamando” é o salário dos trabalhadores que foi diminuído de forma ilícita e desonesta. Diversas vezes Deus advertiu o seu povo quanto ao digno tratamento dos trabalhadores, bem como o perigo das injustiças sociais (Lv 19.13; Dt 24.14,15; Pv 22.16,22; Jr 22.13; Ml 3.5; Lc 3.14). A Palavra de Deus ensina que o trabalhador é digno de seu salário (Lc 10.7; I Tm 5.18). Quanto aos clamores dos ceifeiros, o apóstolo faz referência a súplica dos trabalhadores oprimidos, que clamam a Deus por justiça por não receberem o salário combinado pelos senhores (Êx 22.26,27). Tiago adverte aos ricos que tanto o “clamor” do salário dos trabalhadores como dos pobres estavam chegando a presença de Deus (Êx 3.7; Sl 12.5).

3.5“Deliciosamente, vivestes sobre a terra, e vos deleitastes, e cevastes o vosso coração, como num dia de matança” (Tg 5.5). Este texto nos ensina que devemos tomar cuidado, não apenas com a forma de adquirirmos os nossos bens; mas, também, como devemos gastá-lo. O apóstolo Tiago condena os ricos que, além de defraudar os pobres, viviam regaladamente desfrutando do dinheiro que eles haviam roubado dos pobres. Eles estavam vivendo na luxúria enquanto os pobres estavam sendo explorados e vivendo na miséria! Jesus falou acerca desse assunto quando citou o exemplo de um rico insensato que, apesar de ter os seus celeiros transbordando, não repartia com ninguém (Lc 12.13-21). Quanto a expressão “dia de matança” ela foi extraída de Jeremias (12.3) e faz referência ao Dia da Ira divina (Ap 17.16; 19.17,18) ou ao Juízo Final (Ap 20.11-15).

3.6 “Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu” (Tg 5.6). O justo, nesse texto, refere-se aos pobres que trabalhavam nos campos dos ricos, e eram explorados por eles; e, quando tinham dívidas e não podiam pagar, eram levados aos tribunais (Tg 2.6). Os pobres não puderam resistir ao poderio econômico dos ricos, pois, além dos processos civis, que resultavam em maus tratos e prisões, também ocorriam mortes! Desde os tempos do Antigo Testamento que havia injustiça por parte dos mais ricos, e, muitas vezes, em consequência dessas práticas injustas e cruéis Deus lhes transmitia mensagens de juízo, por intermédio dos profetas (Is 1.21-25; Jr 17.11; Am 4.1-3; 5.11-13; Mq 2.1-5; Hc 2.6-8; Zc 7.8-14). Por isso, o apóstolo Tiago não poderia deixar de combater este grave pecado. Em resumo, ele diz que as riquezas mal usadas irão desvanecer (Tg 5.2,3a); Em segundo lugar, as riquezas mal usadas destroem o caráter (Tg 5.3); E, em terceiro lugar, as riquezas mal usadas acarretam no inevitável julgamento de Deus (Tg 5.1,3,5).

CONCLUSÃO

            Neste mundo, onde há tantos ricos quanto pobres, frequentemente os que têm maior abastança tiram proveito dos que nada tem, explorando-os para que os seus lucros aumentem continuamente. Por isso, o apóstolo Tiago advertiu aos ricos quanto ao perigo de explorar os pobres e adquirir riquezas ilicitamente. Embora os pecados de omissão e opressão sejam cada vez mais comuns em nossos dias, eles jamais devem ocorrer no meio do povo de Deus.

REFERÊNCIAS

Bíblia de Estudo Palavras Chave.CPAD.

CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. HAGNOS.

LOPES, Hernandes Dias. Tiago –  transformando provas em triunfo. HAGNOS.

STAMPS, Donald C.Bíblia de Estudo Pentecostal.  CPAD.

FILHO, Isaltino Gomes Coelho. Tiago, nosso contemporâneo. JUERP.

 

Fonte: REDE BRASIL

Enriqueça ainda mais suas aulas com esses comentários: Clique na imagem abaixo.

serieinterpretandonttiaTiago hdla espistola de tiago capalivro-comentario-do-novo-testamento-de-tiago-e-epistolas-de-joao-339369capa aprenda a viver tiagobib. do expositor-340x340tiago culturaBeacon NT

Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s