O tempo de todas as coisas

        

sabedQUARTO TRIMESTRE DE 2013ensinador

SABEDORIA DE DEUS PARA UMA VIDA VITOROSA

COMENTARISTA: JOSE GONÇALVES

tempo1

 LIÇÃO 09 – O TEMPO PARA TODAS AS COISAS – (Ec 3.1-8)

INTRODUÇÃO

No capítulo 3 de Eclesiastes, o sábio Salomão diz que “tudo tem o seu tempo determinado” (Ec 3.1) e descreve uma série de contrastes envolvendo fatos do dia a dia, como: nascer e morrer, plantar e colher, ajuntar e espalhar, buscar e perder, estar calado e falar, além de outros (Ec 3.1-8). Nesta lição nós estudaremos sobre a transitoriedade da vida e sobre o tempo para cada propósito debaixo do sol.

I – A TRANSITORIEDADE DA VIDA

Um dos termos mais comuns em Eclesiastes é hebel, traduzido por vaidade e que tem o sentido de “inutilidade” ou “futilidade”. Este termo ocorre cerca de 37 vezes no livro (Ec 1.2,14; 2.1,11,15,17,19; 2.21,23,26; 3.19) além de outros. Já a expressão “vaidade de vaidades” (Ec 1.2) significa “vaidade completa” ou “futilidade no sentido mais amplo, exagerado”; assim como o Cântico dos Cânticos era o louvor mais elevado e o santo dos santos o lugar mais sagrado do tabernáculo (Ct 1.1; I Cr 23.13; Hb 9.3). O sábio diz que é vaidade: (1) as atividades humanas (Ec 1.14; 2.11); (2) a alegria e o prazer (Ec 2.1); (3) trabalho, dinheiro e riquezas (Ec 4.4,7-8;5.10); (4) a vida (Ec 2.17; 6.12); (5) a adolescência e juventude (Ec 11.10); e (6) a morte (Ec 3.19; 11.8). O que Salomão mostra neste livro é que todos os empreendimentos humanos na terra não tem sentido nem propósito quando realizados à parte da vontade de Deus. Somente através da fé e comunhão com Deus é que a vida passa a ter sentido (Ec 3.12-17; 8.12,13; 12.13,14; 12.13,14).

II – TEMPO PARA TODO PROPÓSITO DEBAIXO DO CÉU

“Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo propósito debaixo do sol” (Ec 3.1). O termo traduzido por tempo deriva-se do hebraico “zeman” e significa “uma ocasião estabelecida”, “um tempo marcado ou determinado” ou “certo tempo” (Et 9.27,31; Ne 2.6; Dn 2.16; 7.12,25). Vejamos, então, o ensino do sábio acerca do tempo:

2.1 Tempo de nascer e tempo de morrer (Ec 3.2a). O homem foi criado capaz de gerar filhos, para que haja perpetuação da espécie (Sl 127.3). Ao instituir a família, Deus disse ao primeiro casal: “Frutificai, multiplicai-vos e enchei a terra…” (Gn 1.28). A partir de Adão e Eva, começou, então, a nascerem os filhos (Gn 4.1,2; 5.1-32; 6.10; 10.1-32; 11.10-32). Deus criou o homem capaz de viver eternamente, mas, por causa da Queda, o homem tornou-se mortal (Gn 2.17; 3.19). Por isso, todos temos o dia para nascer e o dia para morrer, exceto aqueles que foram trasladados, como Enoque e Elias (Gn 5.24; Hb 11.5; II Rs 2.1-11) e os santos que serão arrebatados (II Co 15.51-53; I Ts 4.13-18). O termo hebraico para morrer é “mûth” que pode ser usada tanto no sentido literal como figurado (Gn 25.8; Jz 8.32; Jó 1.19; Pv 10.21).

2.2 Tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou (Ec 3.2b). No princípio, quando Deus criou todas as coisas (Gn 1.1-2-25) Ele criou a terra fértil, as ervas e árvores frutíferas para servir de mantimento para o homem (Gn 1.11,12). De acordo com as leis naturais que foram estabelecidas pelo próprio Deus, o homem tem o direito de plantar e de colher (Gn 4.1,2; Tg 5.7). Mas, o plantar e o colher pode ser aplicado também no sentido figurado, como a Lei da Semeadura, onde nós colhemos aquilo que plantamos, ou seja, quem planta ódio, colhe ódio; quem planta amor, colhe o amor: “Tudo que o homem semear, isto também ceifará” (Jz 1.7; Gl 6.7).

2.3 Tempo de matar e tempo de curar (Ec 3.3a). O termo hebraico para matar é “hãragh” e tem o sentido de “ferir com intenção de matar”, “assassinar” (Gn 4.8; Jz 8.24; I Rs 9.16; Et 8.11). O sexto mandamento do Decálogo diz claramente: “Não matarás” (Êx 20.13; Dt 5.17). Somente Deus tem o direito de tirar a vida de alguém, como Ele mesmo fez no passado (Êx 12.29; 14.27-31; I Sm 25.38) e também ordenou em algumas ocasiões que o seu povo o fizesse (I Sm 15.3,18). Encontramos muitos exemplos de guerras e de mortes na Bíblia, principalmente nas páginas do AT, que ocorreram como consequência do pecado e do juízo divino (Gn 7.1-24; 19.24-26; Jz 3.15-22; 4.10-24; I Sm 7.11; 11.1-11; 15.1-7, 32-35; I Rs 18.40-46). Por isso, o sábio pôde dizer que há tempo para matar. Mas, o maior desejo de Deus é curar os enfermos, pois Ele mesmo se revelou como Jeová Rapha’, ou seja, o Senhor que sara (Êx 15.26; cf. Dt 32.39; Jó 5.18; Sl 103.3; 107.20; Is 53.4,5; Jr 33.6); e também, dar vida (Dt 32.39; Jo 10.10).

2.4 Tempo de derribar e tempo de edificar (Ec 3.3b). Diversas vezes o próprio Deus ordenou que casas e altares fossem derribados, como a casa do leproso (Lv 14.45) e altares dedicados a ídolos (Êx 34.13; Dt 12.3; Jz 6.25). Encontramos também na Bíblia, Sansão derrubando o templo de Dagon (Jz 16.23-31); e os caldeus derrubando os muros e o templo de Jerusalém (II Rs 25.10; II Cr 36.19). Portanto, há tempo para derribar! Mas, há tempo também para edificar, como podemos citar: Enoque, filho de Caim, que edificou uma cidade (Gn 4.17); Noé, Abraão, Moisés e Samuel, que edificaram altares ao Senhor (Gn 8.20; 12.7,8; 13.8; 17.15; 24.4; I Sm 7.17) e o próprio Salomão que edificou o templo de Jerusalém (II Sm 7.13; II Cr 8.1).

2.5 Tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar (Ec 3.4). O choro faz parte da história da humanidade. Encontramos diversos exemplos na Bíblia, tais como: Hagar, que chorou ao ver seu filho com sede (Gn 21.16); Abraão, pela morte de Sara (Gn 23.2); José, ao rever os seus irmãos (Gn 42.24; 43.30; 45.2); o povo de Israel, pela morte de Arão e de Samuel (Nm 20.29; I Sm 28.3); Ana, por não gerar filhos (I Sm 1.8,10); os amigos de Jó, ao vê-lo pobre e doente (Jó 2.12); e, o próprio Jesus, diante do sepulcro de Lázaro e da cidade de Jerusalém (Lc 19.41; Jo 11.35).

Mas, o sábio disse que também há tempo de rir, ou seja, tempo de alegria, como aconteceu com Jetro, sogro de Moisés, que alegrou-se ao saber de todo o bem que o Senhor fez a Israel (Êx 18.9); a alegria dos discípulos pelo fato de, em Nome de Jesus, os demônios serem expulsos, e os seus nomes estarem escritos nos céus (Lc 10.20); o carcereiro de Filipos, que recebeu Paulo e Silas em sua casa com alegria (At 16.34); e muitos outros exemplos registrados na Bíblia (Lc 2.10,15; Jo 16.22).

2.6 Tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras (Ec 3.5a). A expressão “espalhar pedras” pode ter pelo menos dois sentidos: (1) desfazer projetos humanos que não estão de acordo com a vontade de Deus, como a construção da Torre de Babel (Gn 11.1-11); (2) limpar um terreno, tirando as pedras soltas para plantação ou para uma nova construção (Is 5.2; 62.10). Já o ato de ajuntar pedras pode ser visto na Bíblia como um memorial (Js 4.5-9); e também para edificação, como ocorreu na construção do templo de Jerusalém (I Rs 5.17,18).

2.7 Tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar (Ec 3.5b). Encontramos o termo abraçar na Bíblia tanto no sentido literal como figurado. No sentido literal, podemos citar Labão abraçando Jacó quando ele fugiu da presença de Esaú (Gn 29.13); Esaú abraçando Jacó quando eles se reencontraram (Gn 33.4); Jacó abraçando os filhos de José (Gn 48.10); e o abraço de Salomão e a sunamita (Ct 2.6; 8.3). No sentido figurado, podemos citar o ato de abraçar a sabedoria (Pv 4.8); a aliança com Deus (Is 56.4,6); e as promessas (Hb 11.13). Assim, no sentido literal somos exortados a abraçar o irmão e amigo; mas não a mulher estranha (Pv 5.20); e o falso evangelho (II Co 11.4).

2.8 Tempo de buscar e tempo de perder (Ec 3.6a). Existem diversos exemplos de perdas e buscas na Bíblia, como as jumentas de Quis, pai do rei Saul (I Sm 9.3); um jovem que perdeu um machado emprestado (II Rs 6.5); um pastor que perdeu uma de suas ovelhas (Lc 15.4); uma mulher que perdeu uma dracma (Lc 15.8); dentre outras. Mas, em todos esses exemplos, podemos ver a preocupação da busca pelo que se perdeu (I Sm 9.3-20; II Rs 6.6,7; Lc 15.4-6,8-10). Dentre tantas coisas que podemos buscar neste mundo, a mais importante é a presença de Deus (Is 55.6; Jr 29.13).

2.9 Tempo de guardar e tempo de deitar fora (Ec 3.6b). O termo original traduzido como guardar é “sãmar” e significa “guardar”, “proteger”, “cuidar” (Gn 2.15; II Rs 22.14; I Sm 26.15; II Sm 18.12). A Bíblia está repleta de exortações acerca de guardar o que é bom, como a Palavra de Deus (Lc 11.28; Jo 8.51,52; 14.23,24); o coração, ou seja, a mente (Pv 4.23); os Mandamentos (I Jo 3.22,24; 5.2); o bom depósito (II Tm 1.14); o que temos recebido e ouvido (Ap 3.3). Mas, também, lançar fora tudo que é mal, como os ídolos (Gn 35.2; Js 24.14); objetos que não trazem edificação (At 19.19); e sentimentos maléficos, como malícia, engano, fingimento e murmuração (I Pe 2.1).

2.10 Tempo de rasgar e tempo de coser (Ec 3.7a). Encontramos na Bíblia diversos exemplos de vestes que foram rasgadas, como sinal de tristeza (Gn 37.29,34; Nm 14.6; Js 7.6; 11.35; II Sm 3.31; I Rs 21.27); purificação (Lv 13.45,56); profecia (I Rs 11.30,31); escárnio (Mt 26.65; Mc 14.63; Jo 19.24), dentre outras. Encontramos também Deus exigindo que o seu povo rasgasse o coração, em vez de rasgar as vestes (Jl 2.13). Mas, para nós, o objeto mais importante que foi rasgado foi o véu do Templo, por ocasião da morte de Jesus (Mt 27.51; Mc 15.38; Lc 23.45) que nos assegura que Cristo nos abriu um novo e vivo caminho (Hb 10.20). Salomão disse que também tem tempo de coser, ou seja, restaurar ou recuperar aquilo que se “rasgou”.

2.11 Tempo de estar calado e tempo de falar (Ec 3.7b). Há muitos mandamentos e recomendações nas Escrituras acerca do falar e estar calado, principalmente no livro dos Provérbios (Pv 6.16-19; 10.19,32; 12.18; 15.1; 18.21; 13.3). Os apóstolos também nos exorta a falarmos a Palavra (Fp 1.14; 4.3; I Ts 2.2; Hb 13.7); falar o que convém a sã doutrina (Ef 6.20; Tt 2.1); e a falar a verdade (Ef 4.25; 6.14). O apóstolo Tiago disse que todo homem deve estar pronto para ouvir, mas ser tardio para falar (Tg 1.19); e, o apóstolo Paulo disse que devemos usar a nossa fala para adoração e promover edificação (I Co 14.26). Mas, o sábio disse que também há tempo de ficar calado, como o Senhor Jesus, que diante das acusações, ele não abriu a sua boca (Is 53.7; Mt 26.62; 27.12; Jo 19.10).

2.12 Tempo de amar e tempo de aborrecer (Ec 3.8a). O amor a Deus e ao próximo é o maior de todos os mandamentos (Lv 19.18; Mt 22.35-40; Lc 6.27-36; Jo 13.35; 14.15; I Jo 4.7,8,12,19,20; 23). Jesus disse que devemos amar até mesmo os nossos inimigos (Mt 5.44; Lc 6.27,35). Mas, há tempo para aborrecer. O termo hebraico usado neste texto é “sãné” e tem o sentido de “odiar”, “aborrecer”, “detestar” (Am 5.21; 6.8; Os 9.15; Sl 5.5,6). Assim, devemos aborrecer tudo aquilo que é mau, como a violência (Sl 11.5); a transgressão (Pv 17.19) e a corrupção do mundo (I Jo 2.15-17).

2.13 Tempo de guerra e tempo de paz (Ec 3.8b). A Bíblia registra muitos conflitos e guerras, como a que ocorreu nos dias de Abraão, que entrou em uma peleja para livrar o seu sobrinho Ló (Gn 14.14-17); e as muitas batalhas envolvendo a nação de Israel (Êx 17.16; Js 4.13; 5.4,6; Jz 20.17; I Sm 14.52). As guerras ocorrem, desde os tempos mais antigos, por causa da Queda e da maldade do homem. Mas, há também tempo de paz! O termo hebraico para paz é “shalom” que tem um sentido amplo e significa “bem”, “feliz”, “tranquilo”, “saúde” e “prosperidade” (Nm 25.12; Js 9.15; Sl 4.8; 35.20). O desejo de Deus é que os homens vivam em paz (Is 9.6; Jo 14:26,27; Rm 5.1,2; 12.18; Cl 3.15; Fl 4.17; I Pe 3.11).

CONCLUSÃO

A vida é repleta de bons e maus momentos: alegria e tristeza, amor e ódio, vida e morte, ganhos e perdas, paz e guerras. Mas, como diz o dito popular: “Não há mal que sempre dure e nem bem que nunca se acabe”. Por isso, devemos aproveitar ao máximo o nosso tempo e também estar preparados para enfrentar tanto os dias bons como os dias maus.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA. João Ferreira de. Bíblia de Estudo Palavras Chave. CPAD.
  • CHAMPLIN, R. N. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
  • MELO, Joel leitão de. Eclesiastes versículo por versículo. CPAD.

Fonte: rbc1.com.br/licoes-biblicas/index/

Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s