O sacrifício que agrada a Deus

        

TERCEIRO TRIMESTRE DE 2013

FILIPENSES: a humildade de Cristo como exemplo para a Igreja

COMENTARISTA: ELIENAI CABRAL

sacrificio

LIÇÃO 13 –  (Fp 4.14-23)

INTRODUÇÃO

Na última lição deste trimestre, destacaremos o motivo principal pelo qual Paulo escreveu esta carta aos filipenses: GRATIDÃO. Os crentes de Filipos haviam dado mais de uma vez a poio financeiro ao apóstolo , demonstrando assim ser uma igreja que tinha, empatia, amor e generosidade, pois tinham Paulo como seu pai espiritual. Diante disso, veremos como o apóstolo reagiu a esse gesto nobre de liberalidade, por parte dos crentes filipenses.

I – A PERSPECTIVA PAULINA EM RELAÇÃO AO SUSTENTO DO OBREIRO

No dicionário Aurélio a palavra “perspectiva”, significa: “aspecto sob o qual uma coisa se apresenta”; “ponto de vista”. Sendo assim, vejamos, sob qual ponto de vista o apóstolo trabalhava seu entendimento daquilo que vinha a ser “o sustento do obreiro”.

1.1 Procurava sustentar-se através do próprio trabalho. O apóstolo Paulo tinha como profissão fabricar tendas (At 18.3), e continuou a desempenhá-la mesmo realizando a obra missionária (1 Co 4.12; I Ts 2.9; II Ts 3.7-9). Na cidade de Corinto, por exemplo, Paulo fez questão de trabalhar e não receber sustento da igreja (I Co 9.6-12). Se Paulo aceitasse sustento financeiro, talvez alguns imaginassem ser ele um “ministro profissional”, que trabalhava somente por causa do dinheiro que recebia. Isso o cercaria de má reputação, capaz de aniquilar a utilidade de qualquer ministro da Palavra, porquanto criaria inimigos tanto para si mesmo como para o evangelho de Cristo (CHAMPLIN, 2002, p. 136).

1.2 Ensinou que o obreiro deveria ser sustentado pela igreja. Embora Paulo abrisse mão do sustento que deveria receber da igreja por “direito” (I Co 9.6). Ele não reprova tal ação, muito pelo contrário, ele ensinou as igrejas por onde passou sobre a responsabilidade de dar sustento aos obreiros que vivem exclusivamente para a obra (I Co 9.6-12). Paulo cita o exemplo do agricultor que é o primeiro que experimenta dos frutos, e do criador de gado que se alimenta do seu leite (I Co 9.7). Na visão paulina não é diferente no âmbito espiritual, pois o sacerdote da antiga aliança que ministrava no altar dele também se alimentava (I Co 9.13; Lc 6.4), e de acordo com a Lei, os dízimos deveriam ser entregues aos sacerdotes e levitas constituídos para o ministério do culto (Nm 18.21-32). Por fim, o apóstolo apoia esta prática sob o ensinamento de Moisés (I Co 9.9; Dt 25.4) e também do próprio Senhor Jesus (I Co 9.14; Mt 10.9,10).

II  – O PERFIL DA IGREJA DE FILIPOS

2.1  Uma igreja que sofria com o seu pastor. As palavras do apóstolo mostra-nos que suas aflições também eram as da igreja em Filipos “Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição” (Fp 4.14). A expressão “tomar parte” no grego sunkoinoneo, que quer dizer “associar-se com”, “compartilhar”, “ser sócio em”, deixa evidente que, os cristãos filipenses sentiam comunhão com Paulo, em uma aflição comum. Sentiam a tensão da situação do apóstolo e fizeram o que estava ao alcance deles, como se eles mesmo estivessem sendo afligidos, pois como Corpo de Cristo, quando u m membro sofre, todos sofrem igualmente (I Co 12.26).

 2.2     Uma igreja que sustentava o seu pastor. Paulo com gratidão relembra o apoio que os crentes filipenses lhe concederam, e isto mais de uma vez (Fp 4.15,16). E agora, aprisionado em Roma, observamos que a preocupação dos crentes de Filipos com Paulo, não se resumiu a estar ciente de suas aflições, nem apenas em orar pelo apóstolo, mas principalmente em obras, enviando-lhe uma oferta para sustentar o seu pastor a fim de aliviar o seu sofrimento (Fp 4.18). Naquela época, as prisões não eram como as de nossos dias. Os presos eram responsáveis por seu próprio sustento dentro das prisões. Aqueles que não tivessem o apoio de familiares e amigos estavam sujeitos a morrer de fome ou por enfermidades, pois os cuidados médicos também não eram fornecidos (APLICAÇÃO, 2009).

2.3 Uma igreja que exercia a liberalidade . Pelas palavras de Paulo percebemos o quanto a igreja de Filipos destacava-se entre as igrejas que o apóstolo fundou, como uma comunidade cristã que praticava a liberalidade “nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente(Fp 4.15). Segundo o Aurélio a palavra “liberalidade” significa: “donativo feito por alguém generoso”. Para o apóstolo exercer a generosidade é “fazer bem” (Fp 4.14), que também pode ser traduzido como “agir com nobreza”. Por isso nesta carta aos filipenses Paulo louva esta ação bela, que está completamente de acordo com os mandamentos do Senhor Jesus Cristo e dos seus santos apóstolos (At 20.35; Rm 12.13; Gl 2.10; 6.10; Hb 13.2; Tg 1.27; I Jo 3.16-18).

III – A OFERTA DA IGREJA DE FILIPOS PARA PAULO

Já vimos que, embora o apóstolo Paulo tivesse o direito de receber sustento das igrejas que fundava, ele não exigia, mas quando estas lhe ofertavam voluntariamente, ele também não recusava, porque via essa contribuição sob uma ótica espiritual “Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a vossa conta” (Fp 4.17). Como podemos ver, Paulo não queria deixar a impressão de que cobiçava a ajuda financeira deles “Não que procure dádivas”. Ele não cobiçava o dinheiro de quem quer que fosse (At 20.33). Mas, o que realmente desejava era o que seria lançado no crédito celestial dos cristãos filipenses por sua generosidade procuro o fruto que cresça para a vossa conta”. Na concepção paulina, os filipenses estavam, de fato, armazenando para si mesmos tesouros no céu (Mt 6.20), pois as ofertas que eles deram para Paulo estavam acumulando dividendos para crédito espiritual deles (Pv 11.24,25; Lc 6. 38; II Co 9.6).

3.1   “Mas bastante tenho recebido, e tenho abundância” (Fp 4.18 -a). Os termos “bastante”, “abundância” e “cheio” usados pelo apóstolo neste versículo nos mostram que a oferta enviada pelos cristãos filipenses foi generosa e o suficiente para suprir as suas necessidades por um bom tempo. Isto nos conduz a lição de como devemos contribuir na obra de Deus:

 “E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará” (II Co 9.6).

 3.2  “Cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado” (Fp 4.18 -b). Como podemos ver, o obreiro Epafrodito obteve êxito em sua missão, levando para o apóstolo a provisão enviada pelos cristãos filipenses. Mesmo tendo adoecido, ou no percurso da ida a Roma ou na chegada, esse nobre cooperador fez todo o possível por Paulo, demonstrando assim o que os próprios filipenses desejavam fazer (Fp 2.26-30).

 3.3   “Como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a Deus” (Fp 4.18 -c). Ao contrário do que pensavam alguns, que Paulo não desfrutava do direito de ser sustentado pela igreja por orgulho, ele demonstra em suas palavras o quanto se sentiu feliz com a provisão enviada pelos cristãos de Filipos, recebendo essa oferta como um sacrifício espiritual que agradou a Deus “sacrifício agradável e aprazível a Deus”. Paulo chega a comparar essa contribuição a oferta que era oferecida no AT, que não era uma oferta pelo pecado, mas sim uma oferta de paz em caráter de ação de graças (Lv 7.12-15). Esta nobre atitude dos filipenses deve ser reproduzida por todos aqueles que abraçam a fé em Cristo (Rm 12.1; I Pe 2.5).

IV – A RETRIBUIÇÃO DE PAULO AO GESTO DA IGREJA DE FILIPOS

Pelas palavras do apóstolo em (Fp 4.10-20), percebemos que não foi a oferta em si enviada pela igreja de Filipos que chamou a sua atenção, mas as nobres virtudes que impulsionaram esta comunidade cristã a tomar esta atitude. Aqueles crentes filipenses, na concepção paulina, haviam demonstrado a regra da preocupação fraternal, a lei do amor, o princípio que rege a família de Deus (Rm 12.10; I Pe 1.22). A missiva enviada aos filipenses é também uma “carta de agradecimento” em retribuição ao gesto daqueles cristãos.

4.1   “O meu Deus, segundo as suas riquezas” (Fp 4.19-a). Para Paulo competia agradecer a generosidade dos cristãos filipenses o que ele fez de forma destacável (Fp 4.14-18). No entanto, o apóstolo estava por causa da prisão e de suas condições, impedido de recompensá-los por seu feito, mas o Senhor de Paulo poderia pagá-los “segundo as suas riquezas”. Por certo, aquela comunidade cristã de Filipos ofertara ao apóstolo o que pudera, pois também tinham limitações. Paulo, sabedor disto, lhes diz que Deus não tem estas limitações, porque é dono de tudo (I Cr 29.14; Sl 24.1).

 4.2    “Suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus” (Fp 4.19-b). O apóstolo garante aos crentes filipenses a atitude deles em seu benefício seria recompensada por Deus, que iria supri-los nas suas necessidades. A expressão suprir, no grego é “epichoregeõ” que quer dizer “fornecer completamente, prover abundantemente” . Esta provisão “em glória” indica tanto um salário PRESENTE “de maneira gloriosa”, quanto ESCATOLOGICAMENTE, “no glorioso século futuro”, no Tribunal de Cristo, que ocorrerá logo após o arrebatamento da Igreja, onde cada crente receberá suas recompensas e galardões segundo o seu envolvimento, trabalho e esforço na proclamação do Evangelho e na expansão do Reino de Deus (I Co 3.11-15; 2 Co 5.10).

CONCLUSÃO

A atitude da igreja de Filipos nos ensina como devemos nos comportar com os santos obreiros da Seara do Senhor e com a obra missionária. Tudo o que fizermos em prol da obra de Deus estará sendo creditado na nossa conta celestial e no Tribunal de Cristo receberemos a devida recompensa por termos investido no difusão do evangelho.

REFERÊNCIAS

  • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
  • MACARTHUR. Bíblia de Estudo. SBB.
  • CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
  • CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. HAGNOS.
  • ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal. CPAD. .

Fonte: http://www.rbc1.com.br/licoes-biblicas/index/

Filipenses Humildade

Revista da Escola Bíblica Dominical, no 4º Trimestre de 2013 estudaremos através das Lições Bíblicas da CPAD o tema: ‘Sabedoria de Deus para uma vida vitoriosa’.

Comentário: José Gonçalvesrevista-escola-dominical-licoes-biblicas-jovens-e-adultos-bce960

Sumário:1- O valor dos bons conselhos 2- Advertência contra o adultério 3- Trabalho e prosperidade 4- Lidando de forma correta com o dinheiro 5- O cuidado com aquilo que falamos 6- O exemplo pessoal na educação dos filhos 7- Contrapondo a arrogância com humildade 8- A mulher virtuosa 9- O tempo para todas as coisas 10- cumprindo as obrigações diante de Deus 11- A ilusória prosperidade dos ímpios 12- Lança o teu pão sobre as águas 13- Tema a Deus em todo o tempo

Anúncios

2 comentários sobre “O sacrifício que agrada a Deus

  1. Prezado irmão Marcos Lino, esta foi uma importante mensagem. Precisa ser mais divulgada e compartilhada.

    A propósito, estarei seguindo o seu blog. Muito abençoado. Se puderes (e quiseres), sinta-se livre para, igualmente, pagar uma visita e “seguir” um blog de feitura minha. O título e respectivo endereço constam a seguir: “UM OLHAR PARA MAIS ALÉM”

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s