O PROFETA AMÓS

FLAG SPAINFLAG RUSSIANFLAG USAFLAG FRANCEFLAG GREECEFLAG GERMANYFLAG KOREANFLAG JAPANFLAG ITALYFLAG ISRAELFLAG CHINAFLAG INDIA

Amós=> portador de Fardo       Tecoa=> soar da trombeta

 A Data e os Antecedentes. O primeiro versículo da profecia de Amós, junto com 7:10-13, coloca o profeta no meio do século oitavo A.C., contemporâneo com Uzias de Judá e Jeroboão II de Israel. Uzias, rei de Judá, reinou cerca de cinqüenta anos (791-740 A.C.), e teve sucesso num certo sentido. Ele derrotou os inimigos de Judá e fortaleceu os muros de Jerusalém. O país foi próspero sob a sua liderança, e durante algum tempo a influência de Amós foi espiritualmente construtiva.

Mas Uzias estava provavelmente sob a influência de Jeroboão, rei de Israel. O reinado de Jeroboão de aproximadamente quarenta anos (793 – 753 A.C.) foi extremamente auspicioso, e sua influência eclipsou o de Uzias em praticamente todos os setores. Em sua liderança religiosa, Jeroboão, tal como o primeiro Jeroboão, filho de Nebate, encorajou deliberadamente a prática dos cultos à fertilidade (II Rs. 14:24, 25). Ele não excluiu a adoração de Jeová, mas paganizou-a pelo acréscimo de colunas, imagens e terafins (Os. 2:13, 16, 17; 3:4; 4:12; 10:2; 11:2). A vida social da nação foi caracterizada pelo adultério, furtos e assassinatos. O luxo dos ricos era baseado na injustiça e na opressão dos pobres (Amós 2:6-8; 3:15; 4:1; 5:7-12; 6:3-6; 8:4-6; Os. 4:1, 2, 11-13; 6:8, 9; 12:7, 8).

Crê-se generalizadamente que Amós profetizou em cerca de 760 A.C. O período de Amós foi um período de segurança política para Israel, que se refletiu no orgulho e negligência das classes governantes. A luta com a Síria terminou com a vitória de Israel; Jeroboão tinha restabelecido “os termos de Israel, desde a entrada de Hamate até ao mar da planície” (II Rs. 14:25). Esta atitude de negligência caracterizou os últimos anos do reinado de Jeroboão e não o princípio dele. A ameaça do poder assírio sob Tiglate-Pileser III (745-727 A.C.; veja comentário sobre Amós 1:14) ainda não se desenvolvera. O terremoto mencionado em 1:1 não ajuda na determinação mais definida da data do ministério do profeta.

A Vida de Amós. Amós era nativo de Tecoa, localizada no deserto de Judá, 19,2 quilômetros ao sul de Jerusalém. Era um pastor, que suplementava seus ganhos tomando conta de sicômoros (figueiras bravas; 1:1; 7:14, 15). Não há registro de sua família. Deus o chamou enquanto apascentava seu rebanho. Sua declaração de que o Senhor o chamou diretamente (7:15) coloca-o ao lado de todos os profetas que experimentaram uma revelação direta de Deus. Embora Amós fosse nativo de Judá, profetizou no Reino do Norte. Sua pregação despertou tal antagonismo, entretanto, que ele retornou a Judá, onde registrou a sua mensagem. A maneira de Amós escrever indica que ele não era uma pessoa inculta, mas tinha profundo conhecimento de história e dos problemas de sua época. Sua linguagem, rica em figuras e símbolos, está ao lado dos mais finos estilos literários do Velho Testamento.

A Mensagem de Amós. A grande proclamação no começo desta profecia (1:2) estabelece o tom da mensagem de Amós. A voz do Senhor, como o rugido de um leão, será ouvida em julgamento desde Sião. O profeta revela a corrupção espiritual sob o formalismo religioso e prosperidade material da época (5:12, 21). Ele castiga os líderes pela deterioração da justiça social e da moral (2:7, 8), e destaca seu total desrespeito para com a personalidade e direitos humanos (2:6). Ele insiste que o povo de Deus deve buscar o Senhor e se arrepender e que deve impor a justiça para que haja vida (5:14, 15). Mas como o povo de Israel não se arrependia, nada mais restava para ele a não ser a destruição (9:1-8). O Dia do Senhor será uma asserção das reivindicações do caráter moral de Deus sobre aqueles que o repudiaram. Quando isto for reconhecido, ficará estabelecida a glória do prometido reino davídico; e esse dia é inevitável (9:11-15). A mensagem de Amós é principalmente um “grito por justiça”.

ESBOÇO

I. Profecias contra as nações, 1:1 – 2:16.

A. Sobrescrito e proclamação. 1:1, 2.

B. Acusação das nações vizinhas. 1:3 – 2:3.

C. Acusação de Judá. 2:4, 5.

D. Acusação de Israel. 2:6-16.

II. Três sermões contra Israel. 3:1 – 6:14.

A. Uma declaração de juízo. 3:1-15.

B. A depravação de Israel. 4:1-13.

C. Uma lamentação pelo pecado e destino de Israel. 5:1 – 6:14.

III. Cinco visões da condição de Israel. 7:1 – 9:10.

A. Os gafanhotos devoradores. 7:1-3.

B. O fogo consumidor. 7: 4-6.

C. O prumo. 7:7-9.

D. Oposição eclesiástica. 7: 10-17.

E. O cesto de frutos maduros. 8: 1-14.

F. O julgamento do Senhor. 9:1-10.

IV. A promessa da restauração de Israel. 9:11-15.

 

Veja todo comentario de Moody: AQUI

Anúncios

Obrigado pela visita, volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s